14 de abr de 2014

A midia que não precisamos




Estamos contemplando um fenômeno preocupante, o crescimento da onda de violência em pequenas e médias cidades. Assaltos, homicídios, furtos, entre outras ações estão se tornando rotina em cidades antes tranquilas. Não que este já tenha sido o perfil de Imperatriz. Sabemos que nossa cidade coleciona historias de crimes hediondos dignos de cinema, desde sua fundação.

O que endossa tal situação não são apenas os problemas no sistema prisional, a corrupção policial, etc, mas o crescimento vertiginoso de uma onda de incredulidade, a quebra de valores, a falta de oportunidades, de educação, e por que não falar, o (des) serviço da mídia.

Até bem pouco tempo atrás, a pobreza era apresentada na mídia como causa do crime. Essa ideia mudou em partes, e hoje ela é um marcador de risco.

É comum a mídia atrelar violência também a territórios, denominando alguns bairros periféricos como “fábrica de violência”. Diante deste fator, é cada vez mais comum encontrar nas TV’s e jornais conteúdo sensacionalista. Alguns programas têm como intuito informar as pessoas sobre fatos que provoquem comoção, como assaltos, mortes, acidentes automobilísticos e estupros. No entanto, pesquisas acadêmicas sobre a veiculação da violência nos meios de comunicação apontam para uma dramaticidade exagerada e para uma manipulação da informação.

Institutos de opinião atestam que esse tipo de programa cresce na preferência popular. São muito assistidos pelas classes baixas, que encontram na tela, signos comuns à dura realidade a que estão sujeitas. A receita de sucesso é tão certa que até mesmo as grandes emissoras nacionais arriscaram programas do tipo. Mas o formato enxuto e novelístico dos mesmos, não agradou ao público, “acostumado” a ver a violência nua e crua, sem cortes.


A tendência já invadiu até mesmo a internet, e blogs como ‘noticia da foto’ (Blog imperatrizense que divulga noticias a partir de imagens, a maioria delas de violência) e a própria difusão de imagens e noticias de violência nas redes sociais é cada vez mais comum.


Os programas de TV que se dedicam exclusivamente à veiculação da violência urbana em Imperatriz atingem altos índices de audiência. Bandeira 2 (Difusora) e De olho em você (Band) são os mais assistidos.
O sucesso é tão grande que a sociedade acaba recorrendo primeiramente a estes programas quando um crime ou acidente acontece. É comum ouvirmos “Chama o Bandeira 2!”, demonstrando o poder de manipulação dos mesmos. Os apresentadores, com áurea de heróis, acabam ganhando prestígio diante do público, e uma carreira política começa a se esboçar.

Entretanto, o conteúdo nocivo desses programas afeta a opinião pública e acaba por gerar uma necessidade no cidadão de “ver sangue”. A mídia, como fundamentadora de estereótipos e preconceitos, acaba acirrando o clima de violência entre a sociedade.

“ Só saio de casa depois de ver o Bandeira 2”, disse o jovem Lailson de Sousa, 28. Ele diz que assistir ao programa já faz parte de sua rotina matinal, e que gosta de ver a realidade nua e crua.

A dona de casa Aldenira Araújo, 48, diz que chega a passar mal quando assiste a programas do tipo. “Acho de extremo mau gosto, um desrespeito ao ser humano, uma banalização da vida. O pior é que eu sei que as pessoas dão o maior ibope pra isso”. Ela diz que outro dia em sua rua, um vizinho chamou o Bandeira 2 para ajudá-lo a procurar o seu cachorro pitbull que se perdeu. “Virou bagunça”, comentou com indignação.

É cada vez mais latente a necessidade de mudança na forma de cobrir e divulgar esse cotidiano violento em que vivemos, para que possamos caminhar, aos poucos, como sugeriu o jornalista Fernando Molica, de uma cobertura policial para uma cobertura de segurança pública no Brasil.

Para o advogado criminalista Antonio Feitosa, 62, programas policiais tendem a “esfriar” o cidadão, que acaba se tornando insensível à dor alheia, tornando-se esta, objeto de contemplação e até mesmo de entretenimento. “A exposição à violência na TV tem aumentado os níveis de agressão no telespectador. Eles aprendem a se comportar agressivamente a partir de observação de um modelo que é reforçado pelo seu comportamento agressivo, ou seja, se um programa que representa a delinquência está consonante com a própria experiência do telespectador, um alto poder interativo poderá ocorrer”, argumenta.

Para refletir, deixo uma frase do psicanalista Jorge Forbes, “querer ver mais, querer ver além da cena, não significa mostrar mais verdade, isso pode até chegar a ser obsceno, há um exagero claro nisso”.

0 comentários:

Postar um comentário

Leu? Gostou? Então Comenta!

Copyright © 2014 Agora Binhí!