12 de abr de 2014

De 'Como uma deusa você me mantém' para 'Com o meu Deus eu vou mais além'


A cantora Rosana, que estourou na década de 80 ao som de seu estilo "brega" romântico se converteu e hoje frequenta uma Igreja Batista da Zona Oeste do Rio de Janeiro. Um dos seus hits de maior sucesso foi a versão de “the power of Love” - amor e poder, que na voz rouca e sensual de Rosana embalou o romance de muitos casais.

Não é de hoje que “estrelas decadentes” se refugiam nessas novas igrejas protestantes, conhecidas como “neopentecostais”. O termo “neo” - novo, traz mesmo em si muitas inovações, uma delas, a falta de apego às tradições e dogmas do protestantismo original.

Seguem o exemplo de Rosana, Carla Perez, Daniel Diau, ex vocalista da banda de forró "Calcinha Preta", o jogador Kaká, toda a "Fat Family" , Baby Consuelo e filhas, os ex-pagodeiros Régis Danese, Salgadinho e Waguinho. O ex integrante do Olodum, Lázaro. Sula Miranda e sua irmã Gretchen, Wanderley Cardoso, Chris Duran, que hoje é pastor, e creiam, Regininha Poltergeist, aquela que despontou para a fama fazendo o papel de uma santa que curava as pessoas por intermédio do sexo na peça Santa Clara Poltergeist. Após isso, fez vários ensaios sem roupa, um programa erótico, o Puro Êxtase, e alguns filmes pornôs ( e inúmeros outros).

Sociólogos entendem que a religião, sobretudo a que pode ser classificada como internalizada, oferece visão de mundo, muda hábitos, inculca valores, ou seja, é fonte de orientação e conduta.

Antropólogos ensinam que a "cultura constitui um processo pelo qual os homens orientam e dão significado às suas ações através de uma manipulação simbólica que é atributo fundamental de toda prática humana" (Eunice Durham, 2004:231).

Observem bem esse vídeo onde a cantora Rosana se apresenta ao lado de Cláudia Valente. A igreja mais parece um protótipo da “boate azul”. As roupas vestidas pelas agora evangélicas, Rosana e Cláudia, não são em nada distintas das que elas usavam antes da conversão. A melodia da canção ainda nos remete à uma mesa de cabaré ou motel barato. É sensual, é quase erótica, nem combina com a letra da versão gospel, que embora ambas façam caras e bocas de “adoração”, quem escuta só consegue cantar mentalmente “como uma deusa, você me mantém...”.

Se até um tempo atrás era impossível atrelar secularismo aos movimentos protestantes, hoje ele está cada vez mais intrínseco nas igrejas. Condutas antes reprovadas, hoje são permitidas. Tomemos como exemplo a introdução de números de dança e ritmos como samba, axé e forró nos hinos cantados nos cultos. Talvez essa abertura seja um dos motivos para a conversão de tantos artistas, jogadores de futebol, e famosos em geral (na verdade, ex-famosos).

Em vez de atuar como amálgama social, a religião agora atua como solvente de relações sociais tradicionalmente básicas, dissolvendo antigas pertenças e linhagens, como mostrou Pierucci (2006).

Pensado em termos de cultura, isso significa uma mudança importante não só quanto a construção da identidade, quanto de lealdade. Quando a cultura tradicional brasileira entrou em crise na esteira do processo de industrialização baseado no capital multinacional, sociólogos se perguntaram com quem seriam estabelecidas as futuras relações de lealdade, uma vez que, nessa nova sociedade capitalista, os antigos laços da família patriarcal, da religião tradicional, das relações de trabalho, etc foram mudados.

Em suma, hoje percebemos que a religião, agora encarada de forma mais livre, diferente daquela tradicional, cria-se no âmbito da nova cultura de elementos de apoio emocional e justificativas socialmente aceitáveis para que possa se libertar com legitimidade da antiga religião e daqueles outros velhos laços sociais. Ela agora atua como solvente numa cultura que promove o individuo, valoriza suas escolhas pessoais e fixa suas âncoras por todo o globo sem se prender a lugar algum.

É parte de uma nova sociedade que constantemente, permite alterações estruturais por pura necessidade de adequação, e consequentemente, sobrevivência.



Ref: Reginaldo Prandi - As religiões e as culturas: Dinâmica religiosa na América Latina.

0 comentários:

Postar um comentário

Leu? Gostou? Então Comenta!

Copyright © 2014 Agora Binhí!